domingo, 23 de outubro de 2016

Espelhos

Acorda. Ela sabe que é uma dia quente, sabe da festa e sorri. Ela ama festas assim, ama a reunião, ama ver todos reunidos em volta daquela piscina, os pés na água, os corpos submersos. Seu sorriso murcha quando pensa nela, ela odeia se sentir exposta, ela pensa que se odeia.

Mas só pensa mesmo, respira fundo, se olha no espelho e mal sabe o que pensar, coloca o biquíni, encara seu próprio reflexo outra vez. Os olhos pretos, cílios grandes, algumas espinhas na testa, o cabelo volumoso repartido ao meio, ela o joga pro lado, mais volume, mais bonito. O cabelo era a única coisa que gostava, isso porque dava trabalho, porque ele fugia dos padrões, era diferente dos cabelos das meninas que ela conhece, ela detesta a ideia de se parecer com tanta gente fútil. Piscou. Colocou o óculos e resolveu ir para fora do banheiro, praticamente na porta, um espelho maior.

Estatura média, um corpo considerado até legal por ela, nada amável, mas legal. Pés pequenos, o short branco largo em contraste com a pele morena, seu biquíni com cores divertidas. Pegou a toalha de praia, era só uma piscina, mas como ela já não gostava de passar calor em casa, qualquer chance de diversão em um clima acima de trinta graus, era válido de comemoração.

Com os pés naquela água maravilhosa, refrescante, ela chegou uma simples conclusão: Existem algumas coisas na vida que não podemos mudar, as cicatrizes, por exemplo, existem coisas que podemos superar, como a coragem escassa, e por fim,  existem aquelas coisas que nós DEVEMOS amar,  quem somos é a primeira da lista. O que você puder mudar para melhor, melhore, o que você quiser melhorar e aperfeiçoar, aperfeiçoe. Construa sua felicidade e o mundo que se exploda.